17 de jul de 2017

Da antiga mesa só sobrou o retrato de Greta e Audrey. O tampo foi tomado por tarjas, cartelas metálicas, líquidos temperados e tabelas de horário.
Das noite ao sereno sobraram apenas as fotos, a saudade das vistas não registradas e o silêncio no ouvido, mais sentido após tanto burburinho.
As unhas cresceram na falta da necessidade de poda, depois de tanto tempo sem bater os dedos nos quadrados plásticos mal ordenados.
Daquela feroz alimentação afoita e falha, nada. Agora ficou somente o cozido lento, sem unguento, e por enquanto obrigatório no ponteiro das horas certas.
Na cama não cabe mais ansiedade, saiu o último vício escorrido no enxágue da roupa suja. Pretende-se não enlamear novamente a alva calma.
A contagem planejada do ano, ano novo e novena até pós carnaval foram suspensas. Pairam sobre o deleite de outro sol, à frente ou atrás das nuvens, presente cobrando plácido a postura ereta.
De tantos desfechos possíveis hoje me satisfaço com o fim das linhas de uma página escrita contando com a próxima, só amanhã.

Carola Bitencourt
15/07/2017

Nenhum comentário:

Postar um comentário