27 de jul de 2017

na primeira semana enche de elogios
em um mês já fala que ama
dá presente, chama de dona

Quando percebe que ganhou a fêmea
se faz de desentendido
manda aqueles argumentos plagiados e falidos
dá uma de macho desconstruído

Disfarça como estímulo
a diminuição da minha estima
dizendo que tá sobrando nas minhas bordas,
chamando pra exercício na orla
convencendo que é pra aumentar minha beleza
só porque sou diferente da sua última francesa
adora dizer que cozinha o tempero da Bahia
mas não importa em que casa,
só eu que faço a comida
Pior, além de tudo é palmiteiro
grita que luta contra o racismo que sofre
mas não pega mulher preta.
Me critica porque eu tomo meus goró
quando tu mesmo só trabalha
com a cara enfiada na carreira de pó
Longe de mim fazer apologia
à criminalização das drogas
mas se tu fosse vendido em pack
seria mais nocivo que uma tonelada de crack

Posa de galã
que não demonstra afeto na rua porque é tímido
mas vive propondo menage
adoraria me ver chupando buceta
afinal, você que é o descolado
eu é que sou a careta

Tu acha mesmo que a pica paga
o que falta além dela?
Tá pensando que seu rebolado e aquela chupada
compensam o falso intelecto
e o raciocínio dissimulado?
Acredita mesmo que a gente cai de boca
no prato da sua masculinidade
depois de tantos anos sovados
na injustiça e desigualdade?
que a gente atura sua mentira
confundindo amor livre
com submissão sob medida?

De careta a gente não tem nada
Tamo cada vez mais engajadas
Fica esperto que sua hora chega
e quando chegar, não chora
vai se informar um pouquinho
pede desculpa, sai de fininho
que a mulherada tá chegando de sola,
coturno, salto alto, bico fino,
não interessa. A movimentação tá feita
Ou tu muda de postura
ou vai ser posto da porta pra fora.

Carola Bitencourt
26/07/2017

17 de jul de 2017

Da antiga mesa só sobrou o retrato de Greta e Audrey. O tampo foi tomado por tarjas, cartelas metálicas, líquidos temperados e tabelas de horário.
Das noite ao sereno sobraram apenas as fotos, a saudade das vistas não registradas e o silêncio no ouvido, mais sentido após tanto burburinho.
As unhas cresceram na falta da necessidade de poda, depois de tanto tempo sem bater os dedos nos quadrados plásticos mal ordenados.
Daquela feroz alimentação afoita e falha, nada. Agora ficou somente o cozido lento, sem unguento, e por enquanto obrigatório no ponteiro das horas certas.
Na cama não cabe mais ansiedade, saiu o último vício escorrido no enxágue da roupa suja. Pretende-se não enlamear novamente a alva calma.
A contagem planejada do ano, ano novo e novena até pós carnaval foram suspensas. Pairam sobre o deleite de outro sol, à frente ou atrás das nuvens, presente cobrando plácido a postura ereta.
De tantos desfechos possíveis hoje me satisfaço com o fim das linhas de uma página escrita contando com a próxima, só amanhã.

Carola Bitencourt
15/07/2017