31 de mar de 2016

descobri posso não te escrever
e ainda assim ter sido lida

na hora, foi tudo certo
5 5 mais igual
dois parafusos entrando na bucha macia
agora só sei da falta:
não quero!
prefiro a certeza da só
só sei ser suzigna
só sei dar momento
não passo de ar
solto no ventilador
gira gira gira
e agarra cabelo
os pelos não são sábios
os lábios que engolem
pelo mais
são!
cada apelo exato
estranha a graça aranha
a força das raízes
dizem os tortos crespos
tão tantas vezes
inexpressaados
gritam agora o toque mais sensato
o "por favor, tomar no açú-de!"
sai
que
vai
to fora
to sina
em quantas formas
quanto possibilidades hábeis.
bjins, amo

Carola Bitencourt
30/02/16

29 de mar de 2016

enquanto eu tinha:
o tudo era tido,
agora o nada
faz pouco sentido
Quem sentava à mesa
já não regozija
quem transparece o riso,
procura cerveja!
enquanto a hora
se esconde no tanto
a sorte se escora
num banjo sem nota
o som de hoje
é tanto quanto cada
e a nata da arte
se transforma em face.
CADÊ a vera?
onde foi parar a foice?
em que momento
se perdeu a fera
quando se transformou
a luz
em noite?
PERGUNTE
não se esqueça
o trauma está
onde se dorme a cabeça.

Carola Bitencourt
28/03/2016