19 de out de 2013

Só por um título

poesia é que nem arrepio:
dá, e não se registra!
poesia grito e pio
ela tem direito de ser sinistra
pira pleno giro
grifo da via
esfera direta teima
espera ser poesia
enquanto é poema
exaspera a poeira de cima
se deixa cair na cria
confunde a semana com dia
e a chuva com clima
o sol sempre irradia
a rata se dá como filha
e o trato se quer feito falha
ingrata é a pilha
que sabe ser fogo de palha
arca com a ralha
e cadencia a história
os versos se trabalham
na estrofe que se aflora
folha branca que espalha
no instrumento diz afora
broto verde
fértil agora
hoje sente, amanhã se absorta
ontem vigora
na saudade quase morta
mosca na parede
a mão bate certamente torta.

Carola Bitencourt & Tchello Melo
19/10/2013
porque hoje é sábado. vinicinho